quarta-feira, 5 de junho de 2013

Hepatite C x Cannabis

quarta-feira, junho 05, 2013
A hepatite C é uma doença viral do fígado que aflige cerca de quatro milhões de pessoas no mundo. A hepatite C crônica é tipicamente associada com fadiga, depressão, dor nas articulações e insuficiência hepática, incluindo cirrose e câncer de fígado.
Os pacientes diagnosticados com hepatite C freqüentemente relatam uso de maconha para tratar os sintomas da doença, bem como a náusea associada à terapia antiviral. [1–2] Um estudo observacional de investigadores da Universidade da Califórnia em San Francisco (UCSF) encontraram que a hepatite C pacientes que usaram maconha eram significativamente mais propensos a aderir ao seu regime de tratamento que os pacientes que não utilizam. [3] No entanto, não há ensaios clínicos que avaliaram o uso de canabinóides para esta indicação estão disponíveis na literatura científica.
Dados pré-clínicos indica que o sistema endocanabinóide pode moderar os aspectos da doença hepática crônica e que os canabinóides podem reduzir a inflamação em modelos experimentais de hepatite. No entanto, outras opiniões clínicos têm relatado uma associação positiva entre o uso de cannabis diariamente ea progressão da fibrose hepática (acumulação excessiva de tecido) e esteatose hepática (acúmulo excessivo de gordura) em pacientes selecionados hepatite C.
Como resultado, os especialistas têm opiniões divergentes sobre o uso terapêutico dos canabinoides para o tratamento da hepatite C. Escrevendo na edição de outubro de 2006 no European Journal of Gastroenterology, pesquisadores do Canadá e da Alemanha concluiu que maconha ’”benefícios potenciais de uma maior probabilidade de sucesso do tratamento [para a hepatite C pacientes] parecem superar os riscos [seus]”. por outro lado, outros especialistas desencorajar o uso de cannabis em pacientes com hepatite crônica até que mais estudos sejam realizados.

REFERÊNCIAS
[1] Schnelle et al. 1999. Results of a standardized survey on the medical use of cannabis products in the German-speaking area. Forschende Komplementarmedizin (Germany) 3: 28–36.
[2] David Berstein. 2004. “Hepatitis C – Current state of the art and future directions.” MedScape Today.
[3] Sylvestre et al. 2006. Cannabis use improves retention and virological outcomes in patients treated for hepatitis C. European Journal of Gastroenterology & Hepatology. 18: 1057–1063.
[4] Zamora-Valdes et al. 2005. The endocannabinoid system in chronic liver disease (PDF). Annals of Hepatology 4: 248–254.
[5] Gabbey et al. 2005. Endocannabinoids and liver disease – review. Liver International 25: 921–926.
[6] Lavon et al. 2003. A novel synthetic cannabinoid derivative inhibits inflammatory liver damage via negative cytokine regulation. Molecular Pharmacology 64: 1334–1344.
[7] Hezode et al. 2005. Daily cannabis smoking as a risk factor for progression of fibrosis in chronic hepatitis C. Hepatology 42: 63–71.
[8] Ishida et al. 2008. Influence of cannabis use on severity of hepatitis C disease. Clinical Gastroenterology and Hepatology 6: 69–75.
[9] Parfieniuk and Flisiak. 2008. Role of cannabinoids in liver disease. World Journal of Gastroenterology 14: 6109–6114.
[10] Fischer et al. 2006. Treatment for hepatitis C virus and cannabis use in illicit drug user patients: implications and questions. European Journal of Gastroenterology & Hepatology. 18: 1039–1042.
[11] Schwabe and Siegmund. 2005. op. cit.
[12] Hezode et al. 2005. op. cit.
[13] David Berstein. 2004. op. cit.
[14] Hezode et al. 2008. Daily cannabis use: a novel risk factor of steatosis severity in patients with chronic hepatitis C. Gastroenterology 134: 432–439.
[15] Purohit et al. 2010. Role of cannabinoids in the development of fatty liver (steatosis). The AAPS Journal 12: 233–237.

0 comentários:

 
Abrir Rodape